BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Primeiro amor

Dizem que o primeiro amor nunca esquece. Eu sei que não e quando o primeiro é único, permanece na nossa memória para sempre.
Os teus olhos percorreram a distância toda do ar e pousaram nos dela, que espreitavam de uma janela do 3º andar, do prédio na rua junto à escola primária.
Ficaram muito tempo a olhar até que a rapariga se lembrou de te enviar um beijo na ponta dos dedos, e tu respondeste no mesmo gesto, cheio de felicidade.
Embora já se conhecessem, o amor dos dois nasceu naquele dia: era um dia azul de Agosto e nessa noite, foram com as sombras deitar-se na relva húmida do jardim, ao lado da igreja onde, anos mais tarde, desesperados entraram para pedir ao padre que os casasse.
Amaram-se como nunca haviam amado alguém, lutando contra todos os obstáculos que lhes surgiam pela frente; choravam muitas vezes, atados um no outro, dizendo palavras que mal conheciam.
O corpo imberbe da rapariga crescia nas mãos cegas do rapaz.
Um corpo macio de seda onde a pureza do sexo nascia não se sabe de onde. Eles não o sabiam.
Naquele tempo, cicatrizados por tantos sentidos proibidos que encontraram na vida, chegaram à conclusão de que ninguém nasce livre ou que não havia liberdade, tão pouco lhes importava.
Perseguidos pelo medo do que os outros pudessem pensar, faziam-se passar por irmãos ou primos e iam viver momentos eternos como se só eles existissem no mundo.
Amavam-se no baloiço do parque, vigiados pelos olhares mudos das aves; as horas saltavam tão depressa que um dia representava um breve instante onde era impossível mostrar tanto amor.
Brincavam à apanhada junto ao campo de basquete do Liceu e ele deixava-se apanhar e colocava-a às cavalitas, as mãos pequeninas dela leves à volta do pescoço e o murmúrio dos lábios quentes faziam-no estremecer e amar e sonhar cada vez mais.
Às vezes caía uma tristeza tão grande no meio deles que os deixava confusos e tudo parecia feio e frio e sem sentido: o próprio jardim para onde iam brincar não estava assim tão afastado do mundo como desejavam e as flores que ele apanhava para lhe oferecer não eram as flores que ela aceitava com aquele sorriso de pétala vermelha, pegando-as com ambas as mãos, colocando-as depois por entre os seios que cresciam devagar.
Qualquer coisa murchava e eles não o sabiam. À noite, aproveitando a ausência da mãe que já dormia, ela ia para a varanda coberta de sombras e apaixonada escrevia mensagens que lançava para baixo onde ele, como um desesperado, pedia com os olhos que ela o amasse para sempre.
Apanhava os papelinhos ainda no ar, volteando por sobre a sua cabeça e ficava feliz com tanto amor fechado nas mãos. Depois despediam-se, beijando a distância que os separava.
Fechado no quarto, insone, ele escrevia no caderno dos seus poemas o, quanto a amava; coisas que não sabia dizer-lhe.
Um dia entraram numa igreja mas o padre (que fora professor de moral dele) não estava.
Não era importante no momento. Casaram-se em silêncio junto à pia da água benta e juraram amarem-se para sempre.
Festejaram a lua-de-mel numa obra abandonada, onde improvisaram a sua própria casa.
Havia bolachas, cervejas e chocolates e fizeram amor em cima de duas tábuas.
Um ano depois, conseguiram autorização da mãe dela para saírem juntos quando quisessem.
Nessa tarde ele foi buscá-la a casa para irem ao cinema. No dia seguinte ela telefonou-lhe a dizer que estava tudo acabado.
História triste dirá... a maioria. Para os protagonistas talvez fosse a libertação e a felicidade.

Nunca o saberemos...

A história teve um final feliz, casaram na realidade há mais de vinte anos, numa Igreja com Padre e pia da água benta.
Celebraram a lua-de-mel, num lugar digno da cerimónia. Não fizeram amor em cima de duas tábuas, mas numa cama previamente preparada para as desfeitas dos noivos num apartamento de duas assoalhadas em Queluz. Já não precisam da autorização da mãe dela para sair.
Nem ela já vai para a varanda coberta de sombras e apaixonada a escrever as tais mensagens que lançava para baixo onde ele, como um desesperado, pedia com os olhos que ela o amasse para sempre.
Ele já não apanha os papelinhos que guardava religiosamente no seu livro de poemas, que escondia no seu quarto. Já não precisam beijar a distância de três andares que os separam.
Ultrapassaram o medo do que os outros pudessem pensar, já não se fazem passar por irmãos ou primos, mas sim como marido e mulher mas sem o enlevo de como só eles existissem no mundo.
Já perderam a delícia de se amarem no baloiço do parque, o gozo de brincarem à apanhada junto ao campo de basquete. Já raramente vão ao cinema. No entanto não é de excluir nunca essa probabilidade.
Num dia ela poderá telefonar a dizer que está tudo acabado!
Texto: In "Ano Louco"
Imagem: Google

1 comentários:

milhita disse...

Uma história bonita, semelhante aos sonhos de criança, aqueles que ao longo da vida se vão misturando com a neblina da realidade.

Leio com curiosidade este blog e, sustento-me com palavras que me veem.

Um abraço