Performancing Metrics

BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

O coração de uma mulher é como o sangue das palavras

O coração de uma mulher é como a palavra, um segredo sem silêncio, a experiência das possibilidades infinitas, a ponte entre universos paralelos, o nó entre o primor e a amabilidade.
O coração de uma mulher é como a palavra, um mito sagrado em eternidade e no tempo. Um pulsar de vida sem preço. Um ritmo veloz, vibrante que me acaricia os ouvidos quando descanso no seu peito.
O coração de uma mulher é como uma mariposa colorida de palavras em desmedida alegria, compondo orações ou é simplesmente uma refrescante gota de orvalho acariciando a minha árida existência.
E sempre que o vento sopra e traz agitação cria um ambiente de maravilha e de onírico que nimba o meu corpo. O ar envolve-me, acaricia-me, despenteia-me, mas traz-me palavras, porque palavra trá-las o vento.
E, de rajada deixo-as vir. Aliás, imploro por elas, segundo a segundo, minuto a minuto, hora a hora, dia a dia…
Para mim, nas palavras o sangue corre-lhes na sua essência, no seu significado.
- Venham palavras, invadam-me, possuam-me, torturem-me, com as vossas vogais consoantes e ditongos.
O desejo de as ter na palma da mão tatuadas em tinta eterna, olhar fixamente para elas, minhas, só minhas como o apóstrofo da minh’alma.
Escrever, escrever, escrever até a mão doer, o cérebro sofrer, o coração padecer, fechar e abrir os ossos dos dedos espalhando-as como pó mágico, comê-las, devorá-las, inalá-las, tocá-las, penetrá-las como a uma amásia prenhe de esperança, segundo a segundo, minuto a minuto, hora a hora, dia a dia.
- Venham palavras, venham! Não me abandonem ao estéril destino sem fantasia, não me desabriguem do meu covil, não me deixem o coração feito num saltimbanco intemporal, tal peregrino de praia em praia, deixando o seu sémen florescendo em mulheres nunca dantes navegadas.
Olho as minhas gastas sebentas de rascunhos rabiscados. As sebentas despojadas de cor debaixo do leito cheias delas, a ansiar por mais, como vorazes de sílabas, a quererem desmembrá-las, cortá-las, moldá-las a meu total gosto, acrescentar neologismos, sons, virgulas, pontos, exclamações e interrogações.
Desejo ser o compositor de palavras, o escultor de metáforas, o poeta de antíteses, o pintor de ditério. Ser tudo e de todas as maneiras, segundo a segundo, minuto a minuto, hora a hora, dia a dia.
- Venham palavras, por favor! Venham… Rasgando, trespassando, cavando, dilacerando a resma de papel níveo em cima da mesa, não deixar um espaço imaculado, sinónimos, antónimos, tudo; verbos de amor, advérbios de hoje, substantivos de mim, adjectivos possessivos que sou vosso.
Deleito-me ao cravar no marfim da folha a vossa marca de sangue, segundo a segundo, minuto a minuto, hora a hora, dia a dia…
- Venham até mim palavras! Abracem-me com sofreguidão, repletas da pujança. Alinhem em perfeita harmonia e formem a oração do meu ser, a frase do meu sentir.
Como um doido no escuro a vociferar impropérios, o meu punho inflamado e empolado de tanto rodar, os dedos tortos, os óculos baços, as canetas roídas e gastas amontoadas, o quarto sem luz e no entanto escrevo, escrevo segundo a segundo, minuto a minuto, hora a hora, dia a dia…
Na ausência de papel escrevo no corpo. Braços, pernas, tronco, cabeça, o meu corpo polissilábico, pleno de azul e eu sabendo, nos momentos em que começo a fraquejar, que a luta apenas está a principiar, segundo a segundo, minuto a minuto, hora a hora, dia a dia…
Por vezes, deslizam-me algumas frases dos meus olhos, abertas e sós nas minhas mãos em gadanha.
Mesmo que chore nem o meu pranto as podem agregar, nem o sentimento as pode soletrar. Engendro por vezes frases soltas nos lábios de poetas, reinvento poesia nos lábios de quem os sabe cantar. E todos os versos concebidos irei escrevê-los com tinta cristalina para que não se possa ler a ardor das letras escritas com o coração que pulsa e sonha.
A alma, essa, continua sempre, mas sempre a escrever nem que seja em silêncio.


BOM ANO de 2010


7 comentários:

Susana disse...

Olá sft,

Mais um texto fabuloso, como eu senti orgulho em ser mulher!

Neste bolgue todos os textos que eu tenho o prazer de ler são muito mais do que palavras escritas, fases que rimam ou contos de encantar, os seus texto são palavras deixas perfeitamente alinhadas que me fazem sonhar:)

Beijinhos
Susana

Rosy disse...

Ola.. FELIZ ANO NOVO PARA SI TAMBEM!
Não tem que agradecer o post, nao ta assim tanto espantoso como diz, acho.
Ja li alguns textos, e tou a adorar o livro sim! xD
Tenho que admitir que tive que fazer um grande esforço para ler a dedicatoria, mas consequi! x)

Quanto a este texto, sem palavras, isto sim é espantoso mesmo!
Adorei mesmo, este especialmente..
Nao so por ser mulher, mas pela sua forma de expressar, de escrever.. Voce "brinca" com as palavras.. elas realmente é como se nascessem consigo. Os meus parabens por este deslumbrante texto.
Beijinhos e Uma Boa Continuação.

Lita disse...

Olá,
Obrigado pela visita ao meu cantinho, fico muito grata pelo teu comentário.
Volta sempre, que farei o mesmo pois amei as tuas palavras...
Fazem todo o sentido,e são muito belas...
Continua sempre...
Parabens
Um beijo
Lita

Luz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
AnaMar (pseudónimo) disse...

Só agora lhe descobri a magnífica escrita.
Mas ainda venho a tempo :-)

Terra de Encanto disse...

Lindo!


...

Deixas transparecer uma admiração, um respeito, carinho, que são próprios de quem ama. Feliz a mulher, em concreto, que deixa que nela encostes teu rosto.

É desta profunda admiração pelo sexo oposto que nasce a mais bela união de almas.

Que bom ter vindo aqui, hoje, ler as palavras com que enches a alma de quem te segue.

Malu disse...

Que grande prazer em ser mulher e poder ler um texto como esse, tão sentido.
Obrigada querido amigo por nos ver assim, mulher no fundo da alma.
Beijinhos em teu coração